Essência do ser



Ser, mas ser o quê? Ser de existir.

Ser o mundo de alguém ou permitir que alguém seja meu mundo?

Existir, viver, ambicionar ou apenas sonhar com um sonho que pode ou não se realizar?

Imperfeito onde existe a chance de se aperfeiçoar, buscar o tempo antes que ele determine até onde eu possa chegar, se chegar.

Viver o momento e permitir que as horas me conduzam aonde minhas mão alcançar, ou meus pés decidirem me levar, posso não conseguir tudo que almejo, mas posso valorizar tudo que consegui conquistar.

Posso ser, existir, apenas viver, mas viver é uma arte que exige do artista um desempenho a aflorar, tendo ou não talento o ato da vida deve continuar, se viver depende de arte, agradeço a Deus por ser artista, pois fui presenteada com a vida. E vivendo vou observando a lua, tento contar as estrelas que com indizível beleza, o céu vem nos presentear.

Poderia eu comparar a quantidade de estrelas pontilhando o negro céu noturno com meus dias já ido? Não.

Sem preâmbulo posso afirmar, nunca brilhei feito uma estrela, porém nunca permiti alguém me pagar.

Quando o cansaço me vencer e minha luz teimar em esmorecer, será por que findar-se-á minha ilusória missão? Nem assim minha luz própria cessará, pois, aí sim serei uma estrela no negro céu a brilhar, viverei até o último ato quando a cortina do meu palco se fechar.

©2020 Editora Crystal Books